Tag Archives: Hemorragia

Tratamento habitual

Cortisol 3D vdW 300x272 - Tratamento habitual

O tratamento de fundo, bem entendido, depende da causa e não trataremos dele aqui.

Pelo contrário, fazer parar a hemorragia representa uma verdadeira situação de urgência por isso são utilizadas todas as drogas hemostáticas, isto é, que ajudam a coagular o sangue, associadas ou não a hormonas que fazem contrair as próprias fibras do útero.

Causas

050 225x300 - Causas

Podemos distinguir duas grandes origens:

• A paralisia facial, dita de origem central, porque a sua origem se encontra no cérebro. Houve, por exemplo, uma embolia ou uma hemorragia que atingiu a região onde tem origem o nervo facial.

Mas é raro que a paralisia se limite então ao nervo. Geralmente, existe também uma paralisia de metade do corpo (hemiplegia) e do lado oposto ao meio rosto atingido;

• Na maior parte dos casos, felizmente, o nervo é atingido no seu trajeto periférico. Durante muito tempo, estas paralisias foram chamada a frigore, porque se julgava que eram devidas ao frio.

Na verdade, trata-se, na maioria dos casos, de um ataque por um vírus ou de uma pequena hemorragia no trajeto do nervo.

Formas e Causas

estrabismo 205x300 - Formas e Causas

Para compreendermos bem as causas dos estrabismos, temos de ter presente o funcionamento do globo ocular. Este «flutua» literalmente num meio fluido composto por gordura, situado na cavidade da face que constitui a órbita.

Acontece que o globo está aí fixado por meio de um conjunto de músculos que desempenham o papel de roldana e que, ao mesmo tempo que o sustentam, o fazem mover nos diferentes sentidos do espaço. Não há menos de seis músculos para fazerem mover o olho; quatro deles fazem-no girar francamente numa das direções do espaço, para cima, para baixo, para dentro e para fora, por isso os designamos por músculos direitos. Os dois últimos músculos fazem girar o globo sobre si próprio. Normalmente, os movimentos dos dois olhos são rigorosamente síncronos, encontrando-se o «computador» ao nível do cérebro.

Mas basta que, por qualquer razão, um músculo seja deficiente para facilmente compreendermos que os dois olhos vão divergir. O doente começa a ter os olhos «tortos».

Há dois grandes tipos de causas susceptíveis de provocar um estrabismo.

No adulto, este é geralmente secundário a um problema cerebral. Com efeito, cada um dos músculos possui o seu nervo particular que pode ser atingido em qualquer ponto do seu percurso, mas particularmente na sua origem e, frequentemente na sequência de uma doença por vírus, ou de uma pequena hemorragia, o doente começa de súbito a ver uma imagem dupla; é aquilo a que damos o nome bárbaro de diplopia.

Na criança, pelo contrário, o estrabismo surge muito cedo, logo nos primeiros meses, e está associado ou a uma deformação de um dos músculos, demasiado longo ou demasiado curto, ou a uma má «montagem» cerebral, em que o paralelismo não se estabelece. Seja qual for a causa, é necessário intervir muito rapidamente porque, ao contrário do adulto, a quem a diplopia provoca grande incómodo, a criança habitua-se depressa à sua desgraça. Põe um olho, de certo modo, a «dormir», habituando-se a só olhar com o outro. Mas acontece que a visão binocular é absolutamente necessária para a apreciação exata das distâncias.

Formas e sinais

maxresdefault4 300x169 - Formas e sinais

É evidente que a hemorragia deve ser, só por si, estudada com grande cuidado. Primeiro, porque a sua abundância poderá pôr em perigo a vida da doente. E também as suas características: trata-se de sangue vermelho, de sangue escuro? Há coágulos, fragmentos, membranas? O seu odor é normal ou fétido? Surge ocasionalmente misturado com pus?

Também é preciso investigar os sintomas associados; a hemorragia pode fazer-se acompanhar de dores, de vertigens, de vómitos, etc. Tudo isso tem importância para lhe encontrarmos a causa.

Tag "Hemorragia" | Pontos que Curam | ferramenta de diagnóstico e esclarecimento.
Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com