Tag Archives: Retina

Definição

1 normal retina 300x199 - Definição

Antes de expor sobre as doenças da retina, convém precisar bem o que é este órgão.

Apresenta-se sob a forma de uma película, de uma «pele», se quisermos, que cobre o fundo do olho. Como o olho é, de certo modo, uma «bola», concebemos que o seu fundo seja uma semiesfera cuja concavidade está virada para a frente. É precisamente essa concavidade que é coberta pela retina.

Mas tal «película» não é outra coisa senão um alargamento do nervo da visão, o nervo óptico.

É a retina que recebe as imagens do exterior e as transmite ao cérebro; para isso, dispõe de duas categorias de células, os cones e os bastonetes, estando os primeiros preferencialmente encarregados da recepção das cores, e os segundos das formas.

Se acrescentarmos que todo este conjunto nervoso recebe o seu sangue de uma artéria que acompanha o nervo óptico, concebemos a complexidade deste aparelho da visão. É de notar que esta artéria, proveniente do interior da cabeça, basta, por simples observação, para nos dar uma ideia do estado das artérias do cérebro, e temos nela um meio simples para apreciar a circulação cerebral.

Sinais, formas e causas

figura5 300x258 - Sinais, formas e causas

A retina pode ser afetada na sua totalidade anatómica tal como nos seus componentes nervosos ou vasculares.

No primeiro caso, a doença mais frequente é o descolamento da retina. Trata-se, efetivamente, de uma laceração desse órgão, felizmente parcial, na generalidade dos casos; o sinal de alarme é a aparição súbita de pontos brilhantes e de relâmpagos. É preciso intervir depressa, porque a visão está comprometida na parte correspondente do campo
visual. A causa mais frequente, mas não a única, do descolamento é a forte miopia.

Por vezes, é a própria parte nervosa que é atingida. Trata-se então de uma retinite; a visão surge diluída, os objetos deformados e de contornos indecisos. A origem das retinites é quase sempre tóxica, e, entre os tóxicos mais frequentes, o álcool e o tabaco, ou a associação de ambos, são, de longe, os que mais vezes estão em causa.

Finalmente, as artérias da retina são também um local importante para doenças. A artéria central ou uma das suas ramificações entope-se, quer temporariamente, se se trata de um espasmo, quer definitivamente, por meio de um coágulo. No primeiro caso, o doente vê manchas negras, as «moscas voadoras»; no segundo caso, temos, infelizmente, a cegueira, total ou parcial, como consequência.

Tratamento habitual

ExcimerLaser equipamento para cirurgia refrativa 300x292 - Tratamento habitual

Na presença de situações e de causas tão diversas, este poderá ser muito variado.

No descolamento da retina, a operação é sempre de considerar no caso de afeção vasta. Mas verificou-se um notável progresso com a utilização do raio laser em oftalmologia. Este «recola» efetivamente as pequenas lacerações e, desse modo, faz cessar qualquer evolução desfavorável.

Assim, logo que existe uma pequena perturbação da visão, devemos ir sem perda de tempo ao consultório de um oftalmologista, o qual pode intervir instantaneamente e evitar muitas catástrofes.

As afecções vasculares representam uma extrema urgência, e convém aplicar, o mais depressa possível, uma terapêutica dilatadora das artérias, que fará cessar o espasmo ou evacuará o coágulo.

Em contrapartida, somos muito mais impotentes perante uma retinite. Para além da evicção do tóxico, utilizamos vitaminas B 1, B 6 e B 12, etc, na tentativa de fazer o nervo recuperar alguma vitalidade.

Tag "Retina" | Pontos que Curam | ferramenta de diagnóstico e esclarecimento.
Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com